terça-feira, 20 de janeiro de 2015

HOTEL FAROL: Patrimônio Histórico da Ilha do Mosqueiro.


Localizado em um lugar onde a natureza foi absurdamente generosa no quesito beleza cênica, o HOTEL FAROL é certamente o meio de hospedagem mais tradicional de Mosqueiro. Empreendimento familiar teve sua origem em uma pequena construção pintada de branco que servia para hospedar alguns amigos de seus proprietários, o casal Zacarias e Adelaide Mártyres, e por eles denominada de “casa de repouso”.

Pouco antes da Dona Adelaide completar 100 anos, muito bem vividos, o professor Eduardo Brandão teve o prazer de entrevistá-la e é através desse depoimento singelo e muito bem humorado, feito para o Blog Mosqueiro Pará Brasil, foi contado um pouco da história desse patrimônio, que hoje também é de todos os paraenses. A obra do engenheiro, historiador e amante de Mosqueiro, Augusto Meira foi outra importante fonte de consulta.



Zacarias e Adelaide se casaram em 1929. Após dois anos vivendo em Belém, escolheram a ponta do farol, em Mosqueiro, para morar e criar seus filhos, que não foram poucos, 27 ao todo, dos quais 12 foram adotados. Desde sua chegada, Zacarias resolveu desbravar a região de ponta-a-ponta. Com auxílio de 30 homens, construiu uma fazendinha, na qual criava cabras, cavalos, porcos e galinhas; e transformou em bosque o que era mata virgem. A moradia mais próxima era a casa do faroleiro.


Como Zacarias era advogado militante, precisava ir para Belém com frequência. Por este motivo, não demorou em abrir um caminho carroçável ligando sua propriedade à estrada que ligava a Vila ao Chapéu Virado. A existência de uma grande árvore no local fez com que as pessoas denominassem este caminho de “passagem do pau grande”, depois passou ser denominado de Rua do Diamante e hoje é a Rua Rodrigo Apinagés.

Na década de 30, a prefeitura de Belém, sob o comando do prefeito Abelardo Condurú realizou várias obras de saneamento permitindo a construção de avenida lindeira à orla permitindo o acesso do Chapéu Virado à propriedade do Zacarias. Ele que já tinha em mente a ampliação da pequena casinha branca para receber melhor os seus amigos, negociou com a Prefeitura, por sugestão do próprio prefeito, parte de sua propriedade. Permutou-o com material de construção, principalmente cimento que aplicou nos alicerces e na alvenaria inicial. Conseguiu realizar a obra em torno da casa em que vivia sem retirá-la do lugar, depois, anexada à construção global. Zacarias costumava dizer: Isto não é um hotel, é uma casa de hóspedes, onde costumo receber meus amigos.


Ao ser entrevistada, Adelaide fez questão de destacar a ideia do marido quando construiu o hotel:Como para todos os lados a gente olhava e tinha água, ele pensou em construir o hotel parecido com um navio. De fato, os corredores internos se assemelham ao convés e seus apartamentos aos camarotes dos navios daquela época. Seu salão, com o piso desenhado pelo próprio Zacarias e confeccionado em acapú, pau-amarelo e pau-nobre, deveria abrigar um Cassino. Como o governo proibiu a prática de jogos de azar, este espaço passou a servir de palco para os saraus onde os jovens dançavam valsa, quadrilha francesa...


O hotel passou a ser frequentado assiduamente por muitas famílias de posses, entre elas os Condurú, os Athias, os Meiras e os Alvares. Meus avós, Lauro e Célia Brandão, juntamente com meu pai, naquela época o menino Ivens, também viraram frequentadores fiéis. Meu pai conta que havia uma pequena canoa em madeira que ele brincava na praia. Os encantos proporcionados pelos dias que passaram no Hotel Farol levaram muitas dessas famílias a construírem suas residências de veraneio em Mosqueiro.


Atualmente o Hotel Farol encontra-se tombado pelo Patrimônio do estado do Pará. Alguns filhos do Zacarias e da Adelaide administram o empreendimento, sempre mantendo o espírito de ser um estabelecimento voltado ao repouso dos amigos.



Esse texto foi retirado do blog Mosqueiro Pará Brasil, espaço criado pelo professor da UFPA e morador da Ilha de Mosqueiro Eduardo Brandão
Texto: Eduardo Brandão
Imagens: Blog Mosqueiro Pará Brasil / Marcelo Katsuki

Nenhum comentário:

Postar um comentário